Pular para o conteúdo principal

Brasil perde para Lituânia apesar de torcida poucas vezes vista na história dos Jogos Olímpicos

André Avelar e Dado Abreu, do R7, no Rio
Leandrinho foi o cestinha com 21 pontosJim Young/Reuters
A partida de estreia já demonstrou que a seleção brasileira masculina não terá vida fácil nestes Jogos Olímpicos. Diante da forte equipe da Lituânia, o time perdeu por 76 a 82 neste domingo (7), apesar do apoio espetacular da Arena Carioca 1, da Rio 2016. Com 21 pontos, Leandrinho Barbosa foi o cestinha do jogo que obriga o time de Ruben Magnano a vencer outras potências do esporte.
Em um torneio de tiro curto, o resultado já deixa o Brasil pressionado para os próximos jogos, contra outros três times duros de ser batidos: Espanha (9), Croácia (11) e Argentina (13). A última partida do Grupo B, contra a Nigéria (15), tende a ser mais fácil.
Vôlei: meninos vencem após susto
As duas equipes são parelhas já que somam três medalhas de bronze em Jogos Olímpicos. Enquanto os brasileiros não sobem no pódio já faz tempo (levaram em 1948, 1960 e 1964), os lituanos contam com uma história recente mais vencedora (conquistaram medalha em 1992, 1996 e 2000). Os europeus são ainda os vice-campeões da última edição do continental e aí esteve toda a diferença na quadra.
Ainda em sua preparação, o time verde-amarelo, agora com detalhes fluorescentes, viu o que tinha de mais forte ser enfraquecido em seu jogo. Os pivôs Tiago Splitter (cirurgia no quadril) e Anderson Varejão (hérnia de disco na lombar) não puderam participar, mas as ausência não servem de desculpas para um sistema de marcação por vezes mais frouxo do que deveria.
Marcelinho Huertas, Leandrinho Barbosa, Alex Garcia, Rafael Hettsheimer e Nenê Hilário começaram a partida para o Brasil sem criatividade ofensiva. Ainda um pouco preso pela estreia, o time errou alguns ataques bobos e precisou encaixar melhor a defesa com jogadores mais altos como Marquinhos Vinícius e Augusto Lima. No entanto, já era tarde e os anfitriões perderam o primeiro quarto por dez pontos.
Vendo a dificuldade, a torcida redobrou o apoio aos brasileiros e transformou a Arena Carioca em um caldeirão que os próprios jogadores poucas vezes viram em suas carreiras no exterior – a equipe do técnico Ruben Magnano conta com cinco jogadores que atuam na NBA por exemplo.

"Jogo na NBA já faz tempo e posso garantir que nem por lá existe isso. Foi uma pena que não conseguimos dar a vitória para eles", disse Leandrinho, já na zona mista, após a derrota. "A gente depende muito da torcida e a torcida depende muito da gente dentro da quadra. Espero que eles possam agir assim novamente desde o primeiro minuto do próximo jogo", completou Marcelinho.

 
Mas só a torcida não ganha jogo. O ala-pivô Paulius Jankunas continuou dominando os rebotes e matando as bolas de três quando preciso (o time foi para o intervalo com 75% de aproveitamento). Ao lado dele, o pivô Jonas Maciulius tomava conta do garrafão para terminar o primeiro tempo com o dobro de pontos.

A partir do terceiro quarto, as vaias aos lituanos se intensificaram e ainda surgiu um grito de “eu acredito” nas arquibancadas. O armador Raulzinho então passou a mostrar o jogo que encantou o basquete americano e incentivou os companheiros. Leandrinho engatou uma sequência de cestas maravilhosas e trouxe a torcida como sexto jogador e a diferença caiu para 18 pontos.

A sensação de reação ficou no ar, mas já não era mais possível. Torcida e bons jogadores o time já viu que tem. Falta para o próximo jogo um pouco mais de atenção em quadra desde o início.

Dream Team se impressiona com ola na Rio 2016

 
 
Garrafão parecia fechado para os jogadores da seleção brasileira na derrota para a lituana na Arena Carioca 1Jim Young/Reuters

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como usar o Grafite. Seja um mestre Hiper Realista

Por; Juarez anunciação
Me adiciona lá no Facebook; https://www.facebook.com/juarez.anunciacao.16




Quem esta iniciando é normal não ter muitos materiais, mas alguns são indispensáveis como o lápis 6B, com certeza ele vai dar um resultado mai satisfatório ao trabalho, também tem o lápis 3B que não chega a ser uma prioridade mas ajuda bastante na hora de fazer tons mais claros e suaves, o esfuminho também é um material muito interessante , ele ajuda a dar efeitos importantes ao trabalho facilitando o sombreamento em algumas partes, e uma borracha de preferência macia, apenas com esses três materiais já é possível fazer um bom trabalho.


2°- UMA BOA IMAGEM Para um bom resultado no desenho de observação depende também da escolha de uma boa imagem. Uma imagem pequena ou com baixa resolução esconde detalhes importantes que podem fazer muita diferença no resultado final do seu trabalho. Então procure trabalhar com imagens nítidas, com boa resolução e tamanho adequado para que pequenos detalhes não …

Todas as Histórias da Saga Bahia-Man Universo HQ, Criada em 2003 por Juarez Anunciação

Da Redação

A gora cada time de futebol no planeta Terra é Um Super Herói.  na batalha sem fim nesse universo existe um homem de aço entre nos...

Ba-Vi é o nome que se dá ao clássico do futebol em que se enfrentam os dois principais clubes da cidade de Salvador, o Esporte Clube Bahia e o Esporte Clube Vitória.
É provavelmente o maior clássico da Região Nordeste do Brasil e um dos maiores do Brasil, envolvendo o Esquadrão de Aço e o Leão Rubro-Negro, em confrontos desde 18 de Setembro de 1932 (Bahia 3 x 0 Vitória) com a maior parte deles sendo disputados no Estádio da Fonte Nova.
Em nove edições do Campeonato do Nordeste, o Ba-Vi decidiu três, com duas conquistas do Vitória (1997 e 1999) e uma do Bahia (2002), sendo este o único clássico estadual a chegar na final deste campeonato regional.


Dentre os resultados recentes, porém, o Vitória tem tido superioridade sobre seu maior rival, o que em tempos anteriores ocorria ao contrário, quando a superioridade era Tricolor.
Agora é Guerra! o Ba-V…

Conheça as gêmeas que compartilham o mesmo namorado e já gastaram quase 600 mil reais para se manterem idênticas

Da Redação

Agora você vai conhecer as gêmeas mais idênticas do mundo, que gastaram quase 600 mil reais em cirurgia plástica e até mesmo compartilham o mesmo namorado.

Lucy e Anna DeCinque acabaram com suas poupanças em implantes mamários, injeções nos lábios, sobrancelhas e cílios falsos, para se certificarem de que se parecem exatamente uma com a outra.
As jovens de 28 anos, que nasceram apenas com um minuto de diferença uma da outra, comem as mesmas refeições, saem sempre juntas e compartilham a mesma conta no Facebook.
Gêmeas mais idênticas do mundo, que gastaram quase 600 mil reais em cirurgia plástica e até mesmo compartilham o mesmo namorado, se tornaram sucesso no Japão recentemente. Lucy disse: “Nós podemos até mesmo sentir a dor do outro, como no dentista, que é uma coisa de gêmeas.”



A dupla, de Perth, Austrália, atualmente está namorando o mecânico Ben Byrne.
Elas disseram ao canal Seven Sunrise: “Nós tivemos namorados separados no passado e não deu certo, mas agora é muito mais fá…